quarta-feira, 5 de agosto de 2009

An Evening in Paris

Ontem acabei de ver este filme; já tinha começado há uns tempos, mas tinha perdido o ânimo porque, francamente, não estava a gostar muito.

Depois de o ver todo continuo sem gostar muito, no entanto, não é um mau filme e merece ser mencionado (desde já me perdoem os que adoram este filme, e eu sei que eles existem por aí).

A minha primeira impressão - e uma que perdurou - é que estava a ver um filme de postais, daqueles em que se filmam locais bonitos e exóticos que ficam sempre em Eastmancolor.
O filme cobre destinos tão díspares e interessantes quanto o Líbano, a Alemanha, a sempre típica Suíça, os Estados Unidos e, claro está, França.

A história é a de uma rapariga de seu nome Deepa (desempenhado por Sharmila Tagore) que, não tendo tido grande sorte com o amor na sua Índia natal, o busca em França e é aí precisamente que conhece Sam (na verdade, Shyam, um indiano que se faz passar por francês - papel desempenhado por Shammi Kapoor).

Previsivelmente, o amor surge entre eles...

Até aqui estaria tudo bem, não fosse o facto destes dois parágrafos tomarem a maior parte do filme, num suceder de actos de côrte nos locais supramencionados, entrecortados com alguma cantoria e bailarico com alguma qualidade - a música esteve ao cargo de Mohammad Rafi.

A coisa não desenvolve muito até quase aos últimos 40 minutos (mais coisa menos coisa) onde realmente adquire novo ritmo, e porquê? Porque de repente entra em cena o plano maquiavélico levado a cabo pelo filho do secretário do pai de Deepa em paralelo com o plano do bandido do filme e que envolve a sósia de Deepa, Suzy (na verdade, a irmã gémea desaparecida), envolvendo tiroteios, perseguições, barcos e helicópteros nas Cataratas do Niagara...
Tudo de uma vez, claro está, com uns belos momentos de música e dança exotica passados em clubes nocturnos parisienses pelo meio.

Isto é que me dá pena no fundo: o ritmo, ou a ausência dele.

Vendo as coisas em detalhe, as músicas são giras, as coreografias divertidas, tem acção, romance e comédia e o filme podia ser um bom filme (na minha opinião) se tivesse sido um bocadinho melhor estruturado não tendo que se resolver tudo de repente quando o celulóide começa a acabar...

Isso e o cabelo do Shammi Kapoor... digo isto porque ele faz questão de abanar a sua popa (ou topete para os amigos do outro lado do Atlântico) practicamente a cada 5 segundos nas sequências musicais, dando material mais do que suficiente para o parodiar - eu sei que se eu tivesse mais cabelo o gozava mais.

Em contrapartida, a diva do filme está excelente! Desempenha o papel das duas irmãs gémeas com muita clareza - ajuda um bocado uma fumar e cantar num cabaret e a outra não - conseguindo separar a natureza meiga e reservada de Deepa da de Suzy, muito extrovertida no mínimo.
Adicionando-se algumas sequências bem atrevidotas que terão feito corar muito boa gente no seu tempo; salva-se um filme, no geral fraquinho, com uma bela rapariga...

4 comments:

arleqvino disse...

..filme fraquinho + boa e bela rapariga = filme bom..

bárbara disse...

Só podia...

Shinobi disse...

Acho que vou passar este...

Abraço a todos!

Rodolfo disse...

Paulo, a tua foto nova mete medo rapaz! és um mindfucker incorrigível...

Quando voltares da campanha africana a malta passa-te o filme ;)

Related Posts with Thumbnails
 
Template by suckmylolly.com - background image by mjmj lemmens