sábado, 6 de fevereiro de 2010

Being Cyrus

Graças ao nosso amigo Ibirá, do blog Cinema Indiano, tive a oportunidade de ver o filme Being Cyrus, do qual apenas conhecia o cartaz.

Being Cyrus, a primeira obra cinematográfica do até então fotógrafo Homi Adajania, enquadra-se no chamado cinema paralelo indiano.
Como toda a gente sabe, a maioria do cinema indiano é descaradamente comercial. Mas de vez em quando os actores mais conhecidos e bem pagos dão uma perninha no cinema de autor e mostram o quanto valem a nível de representação. E normalmente não se saem nada mal.

Being Cyrus tem como protagonista Saif Ali Khan, um dos actuais meninos-bonitos de Bollywood. Saif é filho de Sharmila Tagore, actriz mega-popular nos anos 60 e 70 que começou a sua carreira em filmes do mestre Satyajit Ray. Ou seja, a arte pela arte corre na família.

Pois Being Cyrus é daqueles filmes sobre o qual não se pode contar muito sob pena de estragar a surpresa para quem ainda não o tenha visto.
E isto acontece porque ao longo dos seus 82 minutos de duração (dá para acreditar?) vamos acompanhando a personagem principal, o aprendiz olaria Cyrus, enquanto este vai conhecendo a altamente disfuncional família Sethna e de repente dá-se uma reviravolta da qual ninguém estava à espera.

Por isso apenas posso dizer meia-dúzia de palavras. Cá vai: está tudo muito bem filmado, as personagens retratadas com muito humor (negro, o mais possível), os actores são fabulosos, o argumento tem falas geniais e ficamos até ao fim sem saber o que sentir em relação ao que se passa.

E embora filmado no seio da comunidade Parsi (ou Parse), que fala Inglês, veste roupas ocidentais e vive em apartamentos - ou seja, não é exemplificativa da generalidade da Índia nem é particularmente pitoresca - nenhum outro filme me deu tanta vontade de ir passar uma temporada à Índia como este.

Tendo sido rodado inteiramente em Inglês (com uma propositada pitada de Hinglish aqui e ali), Being Cyrus merecia mais do que ficar confinado ao limitado mercado de DVD via Eros Entertainment.

3 comments:

Pedro disse...

Maldita Eros entertainment!!!!!!!!!!!
UM dia desses assito esse filme...

Ibirá Machado disse...

Aaaaaahhhhhhhh! E é quase como o aprendiz que supera o mestre, pois eu passei o filme, mas ainda não o vi! :-o

Mas ei, para de me fazer tantas pressões assim! Quero férias!!!!!

barbie-o disse...

Sim Pedro, Eros does not rule... E aquele logotipo irritante o tempo todo... Argh!

Ibirá, isso não pode continuar. Vá lá, este nem 90 mins tem...

Related Posts with Thumbnails
 
Template by suckmylolly.com - background image by mjmj lemmens