segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

My Name is Khan


Os ataques ocorridos nos EUA a 11 de Setembro de 2001 e a propaganda anti-terrorista que se seguiu deram carta-branca a racistas e xenófobos pelo mundo fora para escolherem um novo alvo para a sua intolerância: os muçulmanos. 
Todos os dias a máquina de propaganda americana nos tenta fazer crer que há realmente uma ligação íntima entre terrorismo e Islão (quem assistir às séries 24 ou NCIS: LA deve ter notado a quantidade de vezes que surgem terroristas islâmicos no papel de vilões), ainda que a História nos tenha habituado a actos de terrorismo mais frequentes por parte de não-islâmicos (IRA? ETA? Alguém se lembra?).

Do lado de cá do Atlântico, a facção xenófoba europeia, que não se divertia tanto desde os anos 40, esfrega as mãos de contente com a possibilidade de proibir a construção de minaretes e o uso de burcas e hijabs.

Entretanto o cidadão comum já assimilou meia-dúzia de palavras de origem árabe como "haram" ou "jihad" mas isso está longe de significar que compreende o seu significado.
Ainda há quem confunda sikhs com muçulmanos por causa dos turbantes, quem confunda os conceitos "islâmico" e "árabe" e quem ache que mulheres que cobrem a cabeça ou o corpo não têm poder de decisão. Sobre este assunto, e sem me alongar mais, quero apenas dizer que proibir a burca ou o hijab sob o pretexto de defender as mulheres é uma falácia. Respeitar os direitos das mulheres implica deixá-las vestir o que quiserem.


My Name is Khan surge, em 2010, como uma óptima lição sobre tolerância e preconceito.

Para protagonistas de MNIK, o realizador Karan Johar chamou a si o seu par fetiche, os actores Kajol e Shah Rukh Khan. 
Se há pessoas capazes de mover multidões de fãs do cinema indiano, são estes três.

Apresentado na 60ª edição do Festival de Berlim, My Name is Khan conta-nos o percurso de Rizvan Khan, um homem muçulmano com Síndrome de Asperger (uma forma de autismo) que se vê forçado a emigrar para os EUA após a morte da mãe para viver com o irmão e a cunhada.

Deliciosamente honesto e frontal, Rizvan tem poucas aptidões sociais mas é bastante inteligente. E consegue reparar quase tudo!
O irmão arranja-lhe trabalho como vendedor de produtos de cosmética e é assim que conhece Mandira, uma mãe divorciada hindu (alerta tabu #1!) com quem se casa (alerta tabu #2!). Por não concordar com a opção de Rizvan em casar com uma hindu, o irmão não aprova o seu casamento, pelo que a cunhada é a única a ir à cerimónia.

Como gesto de amor, Mandira adopta o sobrenome marcadamente islâmico do marido, Khan, e o filho dela, Sameer, faz o mesmo. E é então que tudo corre mal.


Dão-se os ataques do 11 de Setembro e os muçulmanos começam a ser olhados de lado. O salão recém-inaugurado de Mandira - chamado "Mandira Khan" - fica deserto e ela é obrigada a procurar trabalho por conta de outrém.
O melhor amigo do casal, Mark, é enviado para o Afeganistão, onde é morto. O filho deste, colega de Sameer e outrora o seu melhor amigo, começa a ostracizá-lo e a alinhar com o bullying de que este é vítima na escola. E que culmina com um ataque fatal por parte de colegas no campo de futebol.

Nas ruas, sikhs são assassinados por serem confundidos com muçulmanos e as lojas detidas por muçulmanos são alvos de ataques indiscriminados. 

Aseena (Sonya Jehan), cunhada de Rizvan e docente numa universidade, é atacada nos corredores da faculdade, com um anónimo a aproximar-se dela por trás e a arrancar-lhe o lenço da cabeça.

Mandira não consegue suportar a dor da perda do filho e culpa Khan por ter surgido nas suas vidas. Num acesso de raiva, pergunta a Rizvan se este consegue explicar às pessoas e ao Presidente dos EUA que ser muçulmano não significa ser terrorista. E pede-lhe que saia de casa.

Rizvan sai com um objectivo: dizer ao Presidente Bush: "O meu nome é Khan e eu não sou terrorista".

Pelo caminho, é alvo de uma detenção no aeroporto (depois de uma denúncia de outra passageira, outro hábito fantástico que se tinha perdido com a queda do nacional-socialismo e a caça às bruxas contra os comunistas), vai parar a uma prisão federal e encontra uma família nos braços da grande, enorme e negra Mama Jenny e do seu adorável filho Funny Hair Joel.

A passagem de Khan pela Georgia é, aliás, uma recordação do que aconteceu em New Orleans mais ou menos na mesma altura. A população pobre e negra é deixada ao abandono para morrer durante umas cheias terríveis. My Name is Khan dá-nos aqui um momento de conto de fadas, com o grupo de cidadãos anónimos que, liderados pelo irmão e pela cunhada de Vizram, acodem os necessitados sem qualquer ajuda governamental.

De acordo com Shah Rukh Khan, que co-produziu o filme, My Name is Khan não é um filme sobre o Islão, mas antes sobre boas pessoas e más pessoas. E isso é algo que não se distingue pela religião.


No entanto, tenho de colocar aqui uma citação do Hollywood Reporter (via Wikipedia) que diz que My Name is Khan aborda "a subject American movies have mostly avoided -- that of racial profiling and the plight of Muslim-Americans. It also allows Shah Rukh Khan to display his talent to an even wider audience. It's well worth the 162-minute journey."

Está tudo dito. Shah Rukh Khan demonstra realmente que, apesar de se ter tornado um actor que faz sempre a mesma personagem, é realmente poderoso e tocante se quiser.
Kajol é uma verdadeira luz no ecrã. É doloroso vê-la atravessar a perda do filho.

E sim, My Name is Khan é o que se chama um verdadeiro "tearjerker", ou seja, é capaz de fazer chorar as pedras da calçada, ainda que sem cair no melodrama fácil.

Acima de tudo, é um filme educativo, muito educativo, e uma bem sucedida incursão do cinema comercial indiano naquele que é um dos tópicos mais pertinentes da actualidade.

Normalmente tenho receio de mostrar filmes indianos a quem não está habituado à duração normal de três horas de filme, mas em MNIK isso nem se nota. Vejam-no por favor e ponham todos os vossos amigos a vê-lo também.

11 comments:

Ricardo Santos disse...

Olá Bárbara!

Gostava de falar contigo, como posso entrar em contacto contigo? Posso usar o grandmasala@gmail.com?

barbie-o disse...

Olá!
Sim, claro :)

Vinicius disse...

Nossa eu amo esse filme, acho ele simplesmente perfeito!

E passa uma ótima mensagem!

SRK e Kajol lindos

barbie-o disse...

É isso tudo, Vini! :)

Ricardo Santos disse...

trailer PT:
http://videos.sapo.pt/5GEzh59HNbEVIvrsdhzE

música:
http://videos.sapo.pt/Kz7lfrv2WMbgd5e2cJVZ

Anônimo disse...

Bárbara,um conselho: cuidado com ele
(Ricardo Santos)!! Já te pede email...não tarda nada pede o Nº de telefone,e daí é num ápice para pedir-te a morada, e depois...

barbie-o disse...

Ricardo, obg pelos links!

Anónimo, aqui no blog não moderamos comentários nem temos por hábito apagá-los, o que não significa que não possamos fazê-lo se acharmos que são pouco apropriados.

Por favor deixa de fazer comentários deste tipo no Grand Masala, já percebemos que há aí alguns assuntos mal resolvidos mas não é nada que nos diga respeito nem aos nossos leitores.

Carol disse...

Apoiado, Barbs.

Quanto ao filme: eu tinha muitas expectativas para eles que não se realizaram, e também surpresas boas.

O principal é que imaginei que de um certo modo, seria um filme mais tocante. Não me entendam mal: acho o filme extremamente cativante, mas alguma coisa que não entendo ficou faltando. Talvez seja a segunda parte dele. A primeira parece mais real, então acho que destoou um pouco da fantasia da outra metade. Se seguisse um ritmo ou o outro, eu teria digerido melhor. A mistura me deixou confusa, fora do ritmo.

O que eu não esperava foi ter visto o ator tremendo que é o Shahrukh Khan. Foi o único filme dele em que eu não torcia pelo homem Shahrukh Khan, eu estava com o Rizvan. Gosto muitíssmo da atuação dele, mas foi só em MNIK que realmente fui surpreendida. Eu acreditava nele, eu torcia por ele, eu sabia que ele era capaz de fazer o que quisesse.

A Kajol...nossa, a cada dia gosto mais dela. Talvez nem ela soubesse que era tão boa atriz! :P Já viu We Are Family? Ela é o melhor do filme. Também amei o menino que fez o Sam.

Já disse que minha mãe é apaixonada por "Welcome To Sajjanpur", mas não contei que mostrei MNIK para ela há pouco tempo e finalmente ela trocou de filme indiano favorito. Foi engraçada a cena de o filme acabando e ela toda extasiada me dizendo sobre o quanto o filme era bom e maravilhoso.

A mensagem que o filme passa é realmente linda. Nunca esqueço da Mandira dizendo que o Khan conseguiu com amor tudo o que ela não havia conseguido com seu ódio. Tem coisa mais bonita?

Foi um filme que gostei mais quando revi :)

Obs: gente, quando o Sr. Karan Johar vai começar a trabalhar com outras pessoas?

Ricardo Santos disse...

Em equipa que ganha não se mexe...talvez seja por isso que o Karan não trabalha com mais actores, estamos em época de crise.

Quanto a este filme...sinceramente não gostei, muita fantasia e um factor que irrita um pouco, o cinema indiano mostra os ocidentais de uma maneira quase que para o "jocoso", as vozes dos actores americanos são modificadas, não soam bem, e parece que gostam de "dumb down" os mesmos, parece que são contratados para fazerem um mau trabalho no filme.

Se calhar os americanos fazem o mesmo em hollywood mas em certos filmes de bollywood o "dumb down" é gritante.

Do filme só gostei das músicas e de uma frase da mãe do Rizvan " No mundo só há 2 tipos de pessoas: as más e as boas". o que me leva ao seguinte ponto:

Quanto ao comentador(a) anónimo(a)... estes comentários não são dirigidos a mim pois não comentei com ninguém a existência deste site nem o facto de aqui comentar, já tive um blog no blogger mas o sistema não permite ver onde comento com o meu login do blogger, esse comentador já frequentava este blog antes de eu aparecer.

de qualquer maneira vou ignorar qualquer comentário que possam parecer dirigidos a mim.

barbie-o disse...

Normalmente eu acho que os ocidentais falam sempre de forma ridícula nos filmes indianos, mas neste não me pareceu tanto...
Houve um que vi recentemente em que as vozes estavam dobradas por indianos e achei isso hilariante! E mau ao mesmo tempo...

roberto disse...

Alô Camaradas,
Gostaria de saber se alguém tem conhecimento de alguma loja que esteja vendendo este filme?
Obrigado pela informação.
Roberto
robherto@terra.com.br

Related Posts with Thumbnails
 
Template by suckmylolly.com - background image by mjmj lemmens