segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Raavanan


A 18 de Junho de 2010, o realizador tâmil Mani Ratnam fez algo inédito no cinema indiano: lançou, ao mesmo tempo, duas versões do mesmo filme. E não se trata de filmes iguais mas dobrados em línguas diferentes. Na sua afirmação constante de se tornar o realizador pan-indiano por definição, Ratnam filmou o mesmo filme duas vezes, uma em Hindi - Raavan - e outra em Tâmil - Raavanan.
No mesmo dia, foi também lançada a versão dobrada em Telugu de Raavanan - Villain.

A história que inspira Raavan/Raavanan é universalmente conhecida na Índia, independentemente da região. Trata-se do episódio mitológico do rapto de Sita, esposa de Ram, pelo demónio de 10 cabeças Ravana. Ram resgata Sita do cativeiro mas acaba por pôr em causa a fidelidade desta durante o período em que esteve com o demónio. E abandona-a.


Quanto aos actores, Ratnam acabou por escolher um cast similar (ainda que não igual) para ambos os filmes.
Na versão Hindi, Aishwarya Rai é a mulher raptada, sendo Abhishek Bachchan (seu marido na vida real) o raptor, e o actor tâmil Vikram o marido que acorre em seu auxílio.
Em Raavanan, Vikram é o raptor, Aishwarya Rai é a raptada, e Prithviraj é o marido desgostoso. Mas será que é mesmo?

Com tudo isto em mente, foi com uma enorme antecipação que aguardei o lançamento de Raavan e de Raavanan.
Dada a minha simpatia pelo cinema tâmil, decidi ver primeiro Raavanan. Por enquanto ainda não vi Raavan por isso não farei comparações.

Raavanan é um filme sombrio, pouco confortável e de digestão lenta. Filmado de forma belíssima pelo ilustre Santosh Sivan, é repleto de imagens de uma natureza violenta, descontrolada e inquieta. Mas bonita, ainda assim.


A delicadeza da figura de Aishwarya Rai no meio das rochas a tomar banhos involuntários de água gelada faz lembrar a daquelas plantas pequeninas que crescem no meio do asfalto, lutando para sobreviver e erguendo-se obstinadamente.
E assim é a sua personagem, Raagini, que se vê raptada da sua vida confortável por um grupo de rebeldes e levada para o meio de uma selva que lhe é desconhecida e hostil.

O plano dos rebeldes para Raagini é executá-la de imediato para assim atingir o seu marido, o agente da polícia Dev. Mas Ragini não se deixa executar, afirmando que a sua vida só a si lhe pertence e lançando-se de seguida para a morte ao saltar de um penhasco. Ragini não morre e Veeraiya (o raptor) desiste da ideia de matá-la.

Prisioneira dos rebeldes, Raagini é tratada, obviamente, sem quaisquer mordomias. Mas aos poucos, vão-lhe sendo reveladas as razões do ódio de Veeraiya por Dev. Em alguns sites, li que Dev matou a irmã de Veeraiya e daí que este quisesse vingar-se. Mas não foi isso que se passou. Foi pior.

E Veeraiya, tal como o demónio no Ramayana, tem 10 cabeças, 10 vozes a falar ao mesmo tempo que o atormentam. Umas dizem "mata", outras dizem "esfola" mas ainda assim há espaço para que Veeraiya se interesse por Raagini a nível afectivo e lhe pergunte, muito abertamente, se esta quer passar a viver na floresta com ele. Raagini, a boa esposa, recusa.

Alheio a tudo isto está Dev, que, como péssimo exemplo de agente da lei, vai torturando e matando quem for preciso para encontrar Raagini, revelando-se um verdadeiro facínora sem coração.

Já não é a primeira vez que Mani Ratnam retrata a polícia como sendo corrupta, inepta ou, no seu pior, autora de graves abusos de poder. E Dev é mesmo ruim.

O meu receio relativamente a Raavanan era que fosse um daqueles filmes visualmente bem conseguidos mas que não passasse disso. O argumento poderia facilmente ter caído numa previsível situação de romance "inesperado" entre uma mulher com síndrome de Estocolmo e o seu raptor, mas não é esse o caso.
A personagem de Aishwarya faz um grande percurso de auto-descoberta e a pluridimensionalidade das restantes personagens é bastante bem explorada (ainda que não perfeita). Veeraiya não é simplesmente louco e Dev vive uma vida dupla.

Se não fosse pela presença magnética de Vikram, o filme seria todo de Aishwarya Rai. Felizmente, a idade trouxe a Aishwarya melhores papéis e Raavanan é um deles. Fico feliz por Aishwarya não se ter submetido ao infeliz cliché de Bollywood das actrizes no auge da carreira que se reformam depois do casamento. O seu melhor ainda está para vir, tenho a certeza.

O que também é muito, muito bom em Raavanan é a banda-sonora de AR Rahman. Eu arrisco dizer que Usurey Poghudey (abaixo) e Naan Varuvaen (que Rahman compôs só depois de ver o filme) são das melhores faixas que Rahman já produziu.

Espero agora por Raavan para ver se sempre é verdade que a actuação de Vikram é superior à de Abhishek. Eu sou fã de ambos!

4 comments:

Maryssol disse...

É engraçada a aish ter participado nos dois filmes com o mesmo papel. Deve ter sido cansativo repetir um personagem.
Ainda não vi nenhum dos filmes, mas depois de ler este texto vou ver com certeza.

Vinicius disse...

Adorei a postagem!

Eu já tinha vontade de ver esse filme, até porque eu assisti Raavan e estou curioso pra ver esse, e ver o Vikram no Papel que foi do Abhi no outro filme, ver o outro Dev e ver como a Aish está, se muda algo no papel dela (imagino que não) rsrs

bem agora que li a postagem fiquei mais afim ainda ver!

ah sim eu amei o filme Raavan e recomendo!

barbie-o disse...

A Aish é uma actriz e tanto!
Agora quero ver Raavan!

Carol disse...

Decidido: gostei mais do Raavaanan. Mas li uma crítica esses dias no "Shahrukh Is Love" que me fez refletir sobre os dois filmes...depois discutimos isso.

Related Posts with Thumbnails
 
Template by suckmylolly.com - background image by mjmj lemmens